Organização pessoal analógica ou digital?



No último episódio do podcast, o “como começar a se organizar”, dividido em duas partes, falo de uma forma geral sobre algo que já tratei aqui no Medium: “a nóia sobre as ferramentas necessárias para começar a se organizar”, tema que tem super a ver com a pergunta título desse texto. Nóia algumas pessoas já devem saber, é uma gíria muito utilizada em Salvador-BA, cidade onde nasci e moro atualmente.

Nóia quer dizer algo como “confusão”, “problema”, “maluquice” e é diminutivo de “paranoia”, Logo no primeiro texto inclusive, eu devia não usar acento agudo no “o”. Masss, quando ouço alguém gritar a expressão “deixe de nóia vá”, escuto uma enfase no ó, motivo pela qual sempre o acentuo a expressão. Estou explicando aqui por motivos de: uma bonita perguntou pelo “dm” o que seria nóia, rs. Me refiro ao termo como barreiras colocadas de nós para nós mesmos, muitas vezes, sem necessidade e com objetivos distintos. As vezes, é um sistema de autodefesa, as vezes, síndrome do sabotador.


Pois bem, nesse 181737623 dia de quarentena, até eu tenho ficado um pouco “noiada” com minha organização e a poucos dias, resolvi investir em “materiais de escritório”, a fim de garantir que eu não me perca nas possibilidades do digital e esqueça o que eu fazia no analógico que sempre deu muito certo. Quem acompanha o podcast sabe inclusive como sou avessa a ter meio bilhão de ferramentas e não utilizar, então, reciclo e muito, cadernos e outras ferramentas analógicas.


Nesses últimos dias, fiquei pensando no meu tempo de ensino médio em que o primeiro celular Android que tive, nem touch screen tinha. Naquela época, meus colegas de classe já diziam “I’sis é muito organizada”, ou quando precisavam de um material escolar específico, remédio e outros itens úteis, eram a mim que procuravam. Pelos mesmos motivos, muitas vezes eu era “gastada” como aquela que leva “a casa para a rua”. Hoje entendo perfeitamente as razões pela qual sempre fui essa pessoa, porque a gastação se repete inclusive, até hoje na faculdade.


Estando atento/a/e ao contexto, você conseguirá certamente distinguir quais são os setores da sua vida que merecem ser organizados no digital e quais podem ser organizados ainda no analógico. Exemplo: para mim, não existe planejamento semanal sem outro lugar que não no papel e sem distrações. Naquilo que eu pegue, sinta, longe de notificações no celular. O celular é a maior distração da minha vida e certamente é da sua também e eu sinto muito inclusive que muitas profissões no mercado dependam tanto das ferramentas digitais para a prática de suas funções, impendido que a pessoa tenha intervalos mais longos fora de telas de notebooks e tudo mais.


Mas I’sis, toda essa enrolação, você quer chegar aonde com isso? Bom eu quero dizer que não existe certo ou errado na organização, assim, acredito que quando a pergunta é “vou fichar esse assunto no caderno ou no drive?”, “uso um planner, ou aplicativo?”, o que é preciso ter em mente primeiro é: qual é o meu contexto? Estou falando de contexto em muitos aspectos: sociais, econômico, geográfico, geracional e etc. Eu I’sis, me organizo com mais assertividade por meio de planners e cadernos por uma razão simples: meu contexto.


Salvador é a quinta capital mais violenta do país. Os índices de assaltos a ônibus são alarmantes. Eu sempre precisei andar muito de ônibus por morar na cidade baixa, a região com uma das mobilidades se não a mais precária da cidade e ficar pegando no celular dentro do transporte público, nunca foi uma opção, embora muitas vezes, seja necessário em termos de comunicação.


Se você não consegue dimensionar o que é organização pessoal analógica, de organização pessoal digital, confira a parte dois do episódio “como começar a se organizar” aqui. Ele é um apanhado geral sobre tipos de organização e planejamento. Feito isso, eu te sugiro que antes de procurar por uma app que atenda a todas as suas demandas, mapeie sua vida e suas demandas, sua rotina, etc.


Nem tudo é 8 ou 80, e sinceramente, eu tô bem cansada de responder que não existe fórmula mágica, o que existe na vida de uma pessoa organizada, é autoconhecimento, conhecer desde as suas qualidades, aos seus defeitos, sua luz e sua sombra também. Não tome ninguém ou uma ferramenta específica como uma bengala de acesso às seus objetivos e metas. Tem gente genial fazendo trabalhos incríveis sem nem precisar das grandes ferramentas digitais por aí, tem gente no digital que para chegar no ápice da criatividade com um enorme MacBook precisou passar pelo analógico.


Se pudesse resumir a resposta da pergunta/título do texto eu responderia que: escolha aquilo que melhor servir ao seu contexto e evite excessos. O importante é sempre ter uma porta de entrada e desmembrar as demandas em outros espaços. Mas falamos sobre isso em outro momento.


Cheiro!

5 visualizações0 comentário